sábado, 6 de junho de 2015

Portas abertas

Ohh yeahhhh, feeling good and god bastou abrir a porta, meter Doors para alegrar também os vizinhos e, ai tão bom, problemas? Para outra altura. Disse que não à medicação hoje. Ainda ontem estava pronta para me matar e hoje estou pronta viver, os desequilíbrios da mente são deveras interessantes, não para os estudo mas para os gozar (uma pausa - enquanto escrevo a minha gata coloca cada pata no tempo, como um metrónomo, na minha direcção. Instante deveras lindo e indescritível). Coloquei a mesa e uma cadeira no pátio (a gata da vizinha está adormecida no parapeito da janela e deixou cair o rabo que parece um furão branco ás riscas amarelas) virada para o jardim. A música é um dos principais motivos/ pilares da minha escrita, tenho-me apercebido disso. Está aqui sempre, para o bem e para o mal. Estou a pensar numa amiga minha de infância, a Anita, que sempre trabalho nesse ramo. E, como ontem estava a lamentar a minha vida numa conversa com ela, este post vai para ela. Porra, e eu odeio ouvir gente a lamentar-se - desculpa lá Anita, tens sido cinco estrela e de uma paciência invejável. Esperem por novidades :)